Campanha conscientiza sobre a importância da prevenção do abuso e da exploração sexual de crianças e adolescentes

A Policlínica Estadual da Região Nordeste – Posse realizou no dia 20 de maio uma ação em alusão ao Maio Laranja com intuito de mobilizar, sensibilizar, informar sobre essa temática tão importante e os impactos da violência sexual no desenvolvimento infantil. O símbolo da campanha é a cor Laranja e faz referência a Gérbera, uma flor comum no Brasil que representa a fragilidade e vulnerabilidade. De acordo com a Lei nº 9.970/2000 – dia 18 de maio foi instituído o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, em homenagem à memória da Araceli Crespo, 08 anos de idade, que foi sequestrada, drogada, espancada e estuprada em 18 de maio de 1973.

A ação foi realizada em dois eixos importantes, a psicóloga Anna Karolina Rodrigues abordou com os colaboradores por meio de uma palestra educativa sobre  o dia 18 de maio e qual a importância dele para nossa sociedade, o significado da campanha, como realizar a denúncia, o órgão que atende pessoas que tiveram seus direitos violados. Ao final da palestra foram entregues balões laranja para os participantes.

Já no período vespertino, o psicólogo Paulo Amorim realizou uma explicação sobre sinais e sintomas, ações preventivas, papel da sociedade no combate do abuso e exploração sexual. De acordo com o profissional, a ação  visa alertar os indivíduos e principalmente as vítimas, que em sua grande maioria, possuem dificuldade em distinguir o que é carinho, de carícia e que muitas vezes por não compreender o que está acontecendo pode ser manipulada emocionalmente pelo agressor, não revelando o que aconteceu a algum adulto de confiança.
“Incentivamos os adultos a conversarem com as crianças sobre os limites do corpo. Fortalecimento familiar para que haja confiança para que a criança consiga quebrar o silêncio e assim consigamos combater essa violação de direitos, por meio da ação articulada do trabalho multiprofissional, regionalizado e intersetorial”, finalizou.

Ajustar fonte